In Gratitude: Marie (Mimi) Douer
​Winner of the 2013 Tiferet Lion of Judah
São Paulo, Brazil
A lifetime with Israel in her heart 
 
                                                                                                   brazil flag.jpg
                                                                                           Leia em português
 
"When I got married 45 years ago, I saw that my husband was extremely active in the community and on behalf of Israel, so it was only natural for me to become equally involved", says Marie (Mimi) Douer, winner of the 2013 Tiferet Lion of Judah, during a recent interview while visiting Israel.
 
“I am very proud of what my husband has accomplished to date," she continues, "and although I always gave priority to my family obligations as a wife and a mother, I also felt that I had a role to play to further the great values of the Jewish people. I did this, and still do, with my whole heart, and one of my greatest satisfactions is to have been able to pass that flame on to my children, who also became active members of Keren Hayesod. Now, with the same joy, I see my granddaughters carrying the torch. We are not a religious family, but tradition has an important place in our lives us and Israel is always in our hearts. We support it and express our commitment. at every opportunity".
ingratitued-mim.jpg
June 2013: Mimi Douer receives the Tifferet Lion of Judah at a festive ceremony in Jaffa. From left to right: Eliezer (Moodi) Sandberg, Keren Hayessod-UIA World Chairman; Mimi Douer; KH International Women's Division President Nelly de Bobrow; then minister of Economy Naftali Bennett and KH-UIA Director General Greg Masel.

Longtime activist Mimi Douer sees in Keren Hayesod "the soul of everything that is happening in Israel" and she participates enthusiastically in meetings, events and special evenings sponsored by our organization.
"I was extremely happy to see the projects adopted by the Women's Division of São Paulo - at the Barzilai Hospital in Ashkelon or at the Hadera Hospital, for instance - carried out. These projects, along with my husband’s project, which made it possible to open a new wing for children with genetic problems at the Jerusalem Hadassah Hospital, on Mount Scopus, serve  thousands of people in Israel, giving them the best professional facilities, comfort and encouragement. This is the real thing!", she says emphatically.
 
Originally from Lebanon, Mimi left after the Six Day War in 1967. "Until then," she recalls, "there was no problem. I had Christian and Muslim friends, we led a normal life, we would visit each other, including for the meal marking the end of Ramadan. But after the Six-Day War everything changed, and we understood that we had to leave."
She has never returned, and never wanted to. "I know that things are not the way they used to be", she says. Her first trip to Israel in 1969, and especially her discovery of the reunified Jerusalem, changed her life. "It was the realization of a dream," she says emotionally.
It was in Brazil that Mimi met her husband, Elie, originally from Damascus, Syria. He is long renowned for his philanthropic activity, which is remarkable in every way. He emphasizes helping the disadvantaged, and for fifteen years, has provided scholarships to youth whose parents could not cover the cost of their university tuition or graduate studies, or to discharged soldiers who wanted to become engineers, doctors or pharmacists, for example. Keren Hayesod organizes the ceremonies at which these scholarships are presented.
"We intervene on two levels simultaneously,” explains Mimi. “Strengthening Israel by reducing social gaps, on the one hand, and helping young people individually to build their future, on the other. The letters of thanks we receive move us greatly and are our reward."

Asked about her city’s Jewish community, she notes that its 75,000 Jews are "a very active community, with numerous Jewish schools, clubs and community centers. The Women's Division of Keren Hayesod / Fundo Comunitario organizes many activities and events to mobilize people on behalf of Israel, such as the visit by Gilad Shalit. We are an open and pluralistic community, where everyone can find his place. As in all major cities of the world, the phenomenon of assimilation exists. We try to fight it, but it is pointless to deny it. We try to respond through education, such as the Netza'h Israel youth club, which is staffed by emissaries from Israel, and in general, by encouraging youth exchanges between Brazil and Israel”.
 
During her long career as a leader and an activist, Mimi has been able to approach many Israeli leaders during visits to São Paulo, such as Ben-Gurion in 1969 or later on, Golda Meir ("fabulous"), Menachem Begin and Shimon Peres. Her activity has all centered on the wellbeing and development of the State of Israel, for which her greatest wish is "peace. It is difficult, but to live really well, one must live in peace. It's a pity that this beautiful country has not yet achieved coexistence with its neighbors, but one must never lose hope”!

The worldwide family of Keren Hayesod thanks you once again for all that you have done so far, dear Mimi, and we wish you many more years of health and happiness with all your loved ones and continued fruitful activity on behalf of Israel and the Jewish people!




_________________________________________________
 
 
 
Marie (Mimi) Douer
Tiferet Leão de Judá 2013
São Paulo, Brasil
Uma vida inteira com Israel em seu coração

 

“Quando me casei, há 45 anos, vi que meu marido era extremamente ativo na comunidade e em prol de Israel, então foi muito natural que eu também me tornasse igualmente envolvida”, diz Marie (Mimi) Douer, que recebeu o Tiferet Leão de Judá 2013, durante uma recente entrevista enquanto visitava Israel.
“Estou muito orgulhosa do que o meu marido realizou, até agora”, ela continua, “e, apesar de eu sempre ter dado prioridade às minhas obrigações familiares como esposa e mãe, eu também sentia que tinha um papel a desempenhar na promoção dos grandes valores do povo judeu. E eu o fiz, e ainda faço, com todo o coração, e uma das minhas maiores satisfações é ter conseguido passar esta chama a meus filhos, que também se tornaram membros atuantes do Keren Hayesod. Hoje, com a mesma alegria, vejo meus netos carregando a tocha. Não somos uma família religiosa, mas a tradição tem lugar importante em nossa vida e Israel está sempre em nosso coração. Nós o apoiamos e expressamos o nosso comprometimento em todas as oportunidades”. 
ingratitued-mim.jpg
Junho de 2013: Mimi Douer recebe o Tiferet Leão de Judá em cerimônia festiva em Jaffa. Da esq. para dir.: Eliezer (Moodi) Sandberg, Presidente Mundial do KH; Mimi Douer; Presidente da DFI, Nelly de Bobrow; o então Ministro da Economia, Naftali Bennett e o Diretor Geral, Greg Masel.
 
 

Ativista de longa data, Mimi Douer vê no Keren Hayesod “a alma de tudo o que está ocorrendo em Israel” e ela participa entusiasticamente nas reuniões, eventos e noites especiais patrocinadas por nossa organização.
“Fiquei extremamente feliz de conhecer os projetos adotados pela Divisão Feminina de São Paulo, tais como o Hospital Barzilai, em Ashkelon, ou o Hospital Hadera, por exemplo. Estes projetos, juntamente com o do meu marido, que permitiu abrir uma nova ala para crianças com problemas genéticos no Hospital Hadassah de Jerusalém, no Monte Scopus, atendem milhares de pessoas, em Israel, oferecendo-lhes as melhores instalações profissionais, conforto e estímulo. Isto é a realidade!”, diz Mimi, enfaticamente.

Oriunda do Líbano, Mimi deixou esse país após a Guerra dos Seis Dias, em 1967. “Até então”, ela se recorda, “não havia problema. Eu tinha amigos cristãos e muçulmanos, tínhamos uma vida normal, nos visitávamos, inclusive na refeição que marcava o fim do Ramadã. Mas após a Guerra dos Seis Dias, tudo mudou, e entendemos que tínhamos que partir”.

Ela nunca mais voltou, nem quis voltar. “Sei que nada mais é como era”, diz. Sua primeira viagem a Israel, em 1969, e especialmente sua descoberta da Jerusalém Reunificada, mudaram sua vida. “Foi a realização de um sonho”, diz, emocionada.
Foi no Brasil que Mimi conheceu o marido, Elie, oriundo de Damasco, na Síria. Ele é, há muito, conhecido por sua atividade filantrópica, notável sob todos os aspectos. Ele enfatiza a ajuda os necessitados e, há 15 anos, vem fornecendo bolsas de estudo para jovens cujos pais não podem pagar o custo das mensalidades nas universidades e estudos superiores, ou dos soldados que deram baixa e desejam se tornar engenheiros, médicos ou farmacêuticos, por exemplo. O Keren Hayesod organiza as cerimônias nas quais essas bolsas de estudo são entregues.

"Nós intervimos em dois níveis, simultaneamente”, explica Mimi. “Fortalecemos Israel reduzindo as diferenças sociais, por um lado, e ajudamos os jovens individualmente a construir seu futuro, por outro. As cartas de agradecimento que recebemos nos emocionam muitíssimo e são nossa recompensa”.

Acerca da comunidade judaica de sua cidade, São Paulo, ela observa que seus 75.000 judeus são “uma comunidade muito ativa, com numerosas escolas judaicas, clubes e centros comunitários. A Divisão Feminina do Keren Hayesod/Fundo Comunitário organiza muitas atividades e eventos para mobilizar as pessoas em prol de Israel, como a visita de Gilad Shalit. Somos uma comunidade aberta e pluralista, onde todos encontram o seu lugar. Como em todas as grandes cidades do mundo, existe o fenômeno da assimilação. Tentamos combatê-lo, mas é inútil negá-lo. Tentamos reagir através da educação, como o movimento juvenil Netzah Israel, que é orientado por shlichim de Israel, e, em geral, estimulando o intercâmbio de jovens entre o Brasil e Israel”.

Durante sua longa carreira como líder e ativista, Mimi tem conseguido acercar-se de muitos líderes israelenses durante suas visitas a São Paulo, tais como Ben-Gurion, em 1969, ou mais tarde, Golda Meir (“fabulosa”), Menachem Begin e Shimon Peres.  Toda a sua atividade tem-se centrado no bem-estar e desenvolvimento do Estado de Israel, a quem seu maior desejo é a “paz”. “É difícil, mas para viver realmente bem, é preciso viver em paz. É pena que esse país tão bonito ainda não tenha atingido a coexistência com seus vizinhos; mas não podemos perder a esperança!”

A família mundial do Keren Hayesod lhe agradece uma vez mais por tudo o que você fez, até agora, querida Mimi, desejando-lhe muitos anos mais de saúde e alegrias junto a todos os seus queridos, e uma contínua e frutífera atividade em prol de Israel e do povo judeu!